Sobre a Matri

Bolsas para as mais diversas ocasiões, acompanhando uma mulher conectada, ativa e segura de suas escolhas que exige, acima de tudo, qualidade, exclusividade, praticidade e estilo. Original, urbana e ousada, mas sem tempo para a polêmica fútil ou a rebeldia fácil. É esse o caráter criativo e estético da Matri.

Trata-se de uma ação entre Maiá Zequi, 34 anos, e Manuela Corano, 30, amigas de longa data que assumiram a parceria profissional em um ponto decisivo em suas trajetórias pessoais.

Com expertise em moda e design, Maiá cresceu em uma família ligada à produção de sapatos e acessórios e é formada no métier pelo IED (Instituto Europeu de Design).  Trabalhou por 11 anos desenvolvendo peças para grandes marcas de bolsas, até que decidiu que era hora de trilhar seu caminho próprio na criação e estilo.

Enquanto isso, Manuela, que tinha formação e experiência profissional na área de publicidade, seguiu investindo na moda, território já mapeado, mas ainda não explorado.

Foi inevitável que elas unissem força e criassem um negócio próprio, resultado de uma paixão compartilhada.  “Nossa ideia”, diz Manuela, “era fazer o que sentíamos falta no mercado em matéria de bolsa, algo mais exclusivo, com espírito de ateliê”.  Estavam em sintonia com o atual movimento da moda que se volta para o personalismo da produção em menor escala, das edições mais limitadas, como uma reação à voracidade do fast-fashion.

“Apresentamos algo diferente do que todo mundo tem e consome”, acrescenta Maiá. O exemplo é a bolsa modelo Vlada, com uma alça de amarrar removível. “Você pode colocar um foulard no lugar da alça, exemplifica. Uma peça versátil em forma de função, revelando o conteúdo fluido da Matri.